Senhor, ensina-nos a orar

E aconteceu que, estando ele a orar num certo lugar, quando acabou, lhe disse um dos seus discípulos: Senhor, ensina-nos a orar[...] Lucas 11.1

Alguém disse: “Para as pessoas, é mais importante aprender a orar do que conseguir formar-se em uma universidade”. Note que ele não disse que não é importante conseguir escolaridade superior; afirmou apenas que aprender a orar é mais importante.
Sinto pena das pessoas que não sabem orar. Quando apa¬recem as crises da vida, falam as palavras, mas soltar palavras na atmosfera não é orar! Ocupar 20 minutos no domingo de manhã, oferecendo a Deus uma preleção sobre quais são seus deveres para com a igreja, não é orar. Dar à congregação um sermão, que finge ser uma oração a Deus, não é orar.
O cristianismo, do lado prático, é uma religião viva, cujos adeptos estão em contato com o Deus vivo que ouve e atende à oração. A prática da oração pode ser definida como uma união das nossas forças com o Deus Pai – ter comunhão com Ele e cumprir a Sua vontade na Terra.
É da máxima importância que todos os cristãos, inclusive você, aprendam a orar!

Confissão: “Estou em contato com o Deus vivo que ouve e atende às orações. Tenho comunhão com Ele. Uno minhas forças com Ele para cumprir a Sua vontade na Terra”.

Fonte: Alimento da fé – Devocionais – Kenneth E. Hagin

Alicerce

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. 2 Timóteo 2.15

Quem lê a respeito de como assumi a autoridade sobre os espíritos que amarravam o meu irmão talvez diga: “Acho que vou experimentar isso”. Não funcionará se você apenas experimentar. Eu não experimentei simplesmente; eu fiz!
Não é simplesmente pelo fato de você ver um guarda de trânsito exercendo a autoridade que você também poderá colocar-se na frente dos automóveis e dizer: “Acho que vou experimentar isso”. Ninguém lhe obedeceria. Se, porém, vestisse o uniforme de policial e colocasse um apito na boca, as pessoas, possivelmente, parariam, pois reconheceriam a autoridade que é incumbida a um policial.
As vezes, os cristãos ouvem como outra pessoa empregou a sua autoridade e pensam: Vou experimentar aquilo, porque ouvi dessa maneira. Funcionou para ele e, portanto, funcionará para mim. Satanás sabe que tais pessoas não têm convicção da sua autoridade, de modo que, quando pro¬curam pôr em prática a Palavra de Deus sem realmente ter aquela Palavra embutida no seu espírito e sem alicerce sólido embutido na vida, o diabo as derrotará de modo fragoroso.
Quando, porém, edificar dentro de você um alicerce sólido da Palavra de Deus e agir à altura da Palavra de Deus, derrotará o diabo em cada batalha!

Confissão: “Procuro apresentar-me aprovado diante de Deus. Embuto na minha vida em meu espírito as verdades da Palavra de Deus. Ela me convence da minha autoridade. Não posso ser derrotado. O diabo sabe disso?’

Fonte: Alimento da fé – Devocionais – Kenneth E. Hagin

Amor que não falha

“[...] as esperanças [do amor] não faltam em nenhuma circunstância, e ele suporta tudo [sem enfraquecer]. O amor nunca falha [nunca vai apagando-se, nem se torna obsoleto, nem chega ao fim]…” 1 Coríntios 13.7,8

Se andar no amor, você não falhará, porque o amor nunca falha!
Devemos interessarmo-nos pelos dons espirituais (1 Co 12; 14), mas, em primeiro lugar, pelo amor. A Bíblia diz que as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, e a ciência passará. No entanto, o amor nunca falhará, graças a Deus!
Sim, creio na profecia e no ato de profetizar. Creio no ato de falar em línguas. Graças a Deus por esses dons! Se, porém, você exercer esses dons fora do amor, eles serão como bronze que soa ou o címbalo que retine.
Tenhamos profecias, línguas, fé e conhecimento, mas, juntamente com isso, o amor. Coloquemos o amor em primeiro lugar, porque estamos na família do amor e conhecemos pessoalmente nosso Pai celestial, que é amor.
Nosso desejo deve ser aprender e crescer no amor até sermos aperfeiçoados nele. Ainda não fiquei perfeito no amor, e você? Entretanto, continuarei em direção a esse alvo!

Confissão: “Sou uma pessoa do amor. Minhas esperanças não faltam em circunstância alguma. Suporto tudo sem enfraquecer. Não falharei!”

Fonte: Alimento da fé – Devocionais – Kenneth E. Hagin

Forças invisíveis

“Porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” Efésios 6.12

Somos conclamados a amarrar forças invisíveis. Temos autoridade sobre o diabo e os espíritos malignos. Mas não temos autoridade sobre nosso próximo e a vontade dele.
Há muitos anos, certo amigo, que é pastor, acompanhou-me desde os tempos de Fort Worth até a ocasião de um avivamento em um acampamento na Califórnia. Esse homem tinha dia¬betes e precisava verificar o teor de açúcar na urina, todas as manhãs, a fim de saber a quantidade de insulina de que precisaria para sua injeção diária.
Quando saímos de viagem para a Califórnia, falei: “Você não terá alto teor de açúcar enquanto estiver comigo”. Ele olhou para mim um pouco incrédulo, mas, durante o período de quase duas semanas que passou comigo, nunca foi registrado qualquer teor de açúcar, embora ele tenha comido tortas e bolos. Posterior¬mente, ele me contou que, depois que chegou em casa, durante mais três dias, ele não voltou a registrar alto teor de açúcar.
Por quê? Assumi autoridade sobre a enfermidade dele. Eu tinha controle sobre as forças invisíveis, mas não tinha o controle sobre a vontade dele. Enquanto aquele pastor estava comigo, e aquela força invisível estava na minha presença, consegui controlá-la. Procurei convencê-lo de que ele poderia fazer a mesma coisa, mas ele esperava que os sintomas reaparecessem, e eles voltaram mesmo.

Confissão: “Tenho autoridade sobre todas as forças invisíveis no meu domínio. Em Nome de Jesus, amarro-as e impeço as suas atividades!”

Fonte: Alimento da fé – Devocionais – Kenneth E. Hagin

A armadura

“Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes.” Efésios 6.13

A mensagem da armadura (Ef 6.10-18) nos ensina como tomar o nosso lugar e mantê-lo contra o diabo.
Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade. O cinto da verdade é uma clara compreensão da Palavra de Deus, a qual mantém o restante da armadura na sua posição certa, como o cinto de um soldado.
E vestida a couraça da justiça. A couraça tem dois signifi¬cados: (1) Jesus é a nossa justiça, e nós nos vestimos dEle; (2) a couraça representa nossa obediência ativa à Palavra de Deus.
E calçados os pés na preparação do evangelho da paz. Esse é um ministério fiel na proclamação da Palavra de Deus.
Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apa¬gar todos os dardos inflamados do maligno. Trata-se da seguran¬ça total pela fé no sangue. Poder algum do inimigo poderá penetrar o sangue!
Tomai também o capacete da salvação. Essa é a cobertura de nosso Senhor Jesus Cristo.
E a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus. Todas as demais partes da armadura são para proteção (defesa); esta é para ser usada ofensivamente contra o inimigo.
Orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito. Você está revestido com a armadura. Agora, está pronto para a batalha da oração.

Confissão: “Declare a si mesmo na armadura de Deus. Diga: “Estou, pois, firme, cingido com a Verdade e com todos os demais elementos que compõem tal armadura”.

Fonte: Alimento da fé – Devocionais – Kenneth E. Hagin

Despojados

vitoria Despojados“E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.” Colossesnses 2.15

“E, quanto aos príncipes e governantes hostis, Ele os sacudiu de Si mesmo, e os exibiu publicamente como conquistas dEle…” Colossenses 2.15 

A Bíblia nos ensina, no versículo citado, que Jesus desbaratou Satanás e triunfou sobre ele. Uma outra versão diz: Ele [Jesus] o despiu. De que Jesus despiu ou despojou Satanás? Da autoridade do inimigo sobre o homem.
Quando Jesus derrotou Satanás e o despojou de autoridade, foi você quem realizou esta obra por intermédio de Cristo. Jesus agiu em seu lugar, por você.
O que Cristo realizou foi em meu favor. Ele o fez como seu Substituto. Jesus venceu o diabo em seu lugar, e Deus con¬siderou esse fato em seu favor, como se fosse você quem tivesse agido contra Satanás!
Nós não estamos enfatizando a sua natureza carnal. Você não deve supervalorizar a sua carne. Estamos falando a respeito do que você é em Cristo.
Você pode dizer: “Em Cristo, eu derrotei Satanás e o despojei de autoridade”. E ainda: “Quando Jesus ressuscitou dentre os mortos, eu ressuscitei com Ele”.

Confissão: “Cristo Jesus cumpriu as penas que a Justiça cobrava de mim. Pagou a penalidade do pecado por mim. Despojou as hostes das trevas da sua autoridade sobre mim. Satanás, portanto, não tem domínio sobre mim!”

Fonte: Alimento da fé – Devocionais – Kenneth E. Hagin

Primogênito dentre os mortos

jesus na cruz1 300x274 Primogênito dentre os mortos“O qual [o filho] é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele. E ele é a cabeça do corpo da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência, porque foi do agrado do Pai que toda a plenitude nele habitasse e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus.” Colossenses 1.15-20

Embora o eterno Filho de Deus seja em tudo igual ao Pai, Ele aceitou uma posição subordinada e empreendeu a tarefa de reconciliar o mundo com Deus pelo sangue da Sua cruz.
Com esse propósito, Jesus Se entregou à morte (Mt 27.50). Quando Jesus foi feito pecado por nós (2 Co 5.21), Deus O entregou ao adversário. Assim aconteceu quando brotou dos lábios de Jesus aquele grito que parte corações: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? O espírito de Jesus foi levado pelo adversário e carregado para onde o espírito do pecador irá quando morrer. Jesus foi colocado na cruz, pelos nossos delitos, a fim de que ressuscitasse para a nossa justificação (Rm 4.25). A sabedoria do Pai entregou Jesus, o Justo, à morte, para que nossa dívida fosse paga, e Jesus Se tornasse o Primogênito dentre os mortos!

Confissão: “Obrigado, Jesus, por ter morrido pelos meus pecados. Obrigado, Jesus, porque pagaste a minha dívida para que eu me libertasse!”

Fonte: Alimento da fé – Devocionais – Kenneth E. Hagin

A igreja

corpo+de+cristo1 300x291 A igreja“E sujeitou todas as coisas a seus pés e, sobre todas as coisas, o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo [...] “Efésios 1.22,23

Quão grande é a necessidade de a Igreja despertar e apreciar a grandeza da sua posição e privilégio; ser exaltada até o lugar que Deus quer para ela, e conscientizar-se de que deve dominar os poderes dos lugares celestiais!
Freqüentemente, a igreja fracassa no seu ministério de autoridade, até mesmo curvando-se na derrota e sendo vencida pelo medo.
[...] O constituiu como cabeça da igreja. A Igreja! O motivo por que Jesus é o Cabeça sobre todas as coisas – diabo, demônios, enfermidade, pobreza e tudo mais – é o benefício da Igreja! Precisamos sentar-nos reverentemente e meditar diante dessas verdades poderosas, a fim de deixar seu maravilhoso significado alcançar o nosso coração. Nessa atitude, o Espírito da Verdade poderá erguer-nos até a posição na qual veremos, na íntegra, o que a Palavra de Deus declara: Deus tornou Cristo o Cabeça de todas as coisas por amor à Igreja, a fim de que ela, por intermédio de Jesus, exerça autoridade sobre todas as coisas.

Confissão: “Jesus é o Cabeça da minha vida. Jesus é Senhor de tudo. Ele me deu autoridade sobre todas as hostes do inimigo. Maior é Jesus, que está em mim, do que aquele que está no mundo. Sou mais que vencedor nAquele que me amou e Se entregou por mim”.

Fonte: Alimento da fé – Devocionais – Kenneth E. Hagin